A grande reta espanhola

Normalmente uma corrida chata, enfadonha, massante, longa e interminável, o GP da Espanha a ser disputado nesse fim de semana tem dois poderosos ingredientes para reverter anos e anos dessa sonífera combinação: asa móvel (DRS) e KERS.

Com a maior reta do calendario da categoria, a corrida de Barcelona contará com a maior area de atuação da asa móvel ja vista ate agora: mais de 800 metros. Isso permitirá, em tese, que qualquer carro ultrapasse seu rival nesse longo período de atuação do invento. Além disso, como vimos nas ultimas corridas, carros correndo com pneus em diferentes estágios de desgaste e de diferentes composições (duros e macios, nesse fim de semana) certamente acrescentarão ainda mais variáveis ao desenrolar da prova.

Como se tudo isso já não fosse suficiente, Ferrari, Williams, Renault, Sauber, Mercedes, McLaren, Lotus e quase todas as outras equipes, senão a totalidade delas, devem trazer para a pista grandes novidades aerodinâmicas para melhorar seus desempenhos, fazendo com que possivelmente algumas equipes subam e outras caiam, rearranjando um pouco o jogo de forças na classificação e/ou corrida (como sabemos, um carro que é rápido na classificação nem sempre tem um bom ritmo de corrida e vice-versa) e trazendo ainda mais imprevisibilidade, sobretudo no pelotão intermediário onde a disputa é mais parelha

A ver!

Anúncios
Esse post foi publicado em barcelona, F1, GP da Espanha. Bookmark o link permanente.

Deixe seu comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s