Polêmica à vista: medição de fluxo de combustível

f1Como todos vocês sabem, desde 2014 os motores da Fórmula 1 tem que obedecer um fluxo máximo de consumo de combustível e a medição desse fluxo se dá através de um sensor padronizado, mas desconfiados que alguns fabricantes estejam obtendo vantagens irregulares com isso, essa medição agora vai mudar…

Curta a página do BLOG no FACEBOOK clicando AQUI e siga-me no Twitter: @inacioF1

Até agora a FIA mediu o fluxo máximo de combustível de 100 quilos por hora com um medidor de fluxo normal, mas aparentemente a autoridade desportiva agora quer medir esse fluxo em outros partes do sistema de combustível.

A suspeita seria que algumas equipes e fabricantes teriam achado uma maneira de contornar essa restrição, aumentando o fluxo de gasolina em outras áreas do sistema mas garantindo que nesse único sensor os números finais não excedam o máximo permitido pelo regulamento técnico.

O site italiano Omnicorse reporta que essa poderia ser parte da explicação para a dominação da Mercedes e a súbita melhora da Ferrari esse ano e que mesmo a Honda, ainda que não tenha corrido com seu desempenho máximo na Austrália, também teria capacidade para tal ganho. Também se comenta que essas três fabricantes teriam capacidade para injetar combustível com a pressão máxima permitida pela FIA (500 bar) e que a Renault ainda estaria trabalhando com valores próximos à metade disso.

Esses novos pontos obrigatórios de medição ao longo do sistema seriam implementados já a partir do GP da China, de modo que caso isso se confirme, será interessante observar se haverá alguma mudança significativa de desempenho das equipes que usam esses motores ante à Red Bull e Toro Rosso, únicos clientes dos propulsores franceses.

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

14 respostas para Polêmica à vista: medição de fluxo de combustível

  1. Ailton disse:

    A F1 é um jogo de truques. Quem for mais esperto ganha. Tenho saudades da antiga F1…

  2. Eric M. Souza disse:

    Ok, mas se constatarem que Mercedes trapaceou em 2014, como fica? Afinal, Ricciardo perdeu 18 pontos por burlar UMA vez o fluxômetro. Teriam o peito de fazer o mesmo Ricciardo campeão de 2014?

    • Nayon Partala disse:

      Não há perigo ou chance de tornar o “sorriso” campeão… basta olhar o consumo dos Williams no ano passado, eram os que menos gastavam combustível, e usavam a unidade Mercedes… NÃO HÁ SEGREDO,… O Motor Mercedes é eficiência pura!!… burlar fluxômetro??? a quantidade de combustível é a mesma para todos!!… não faz sentido,… talvez seja o caso da Ferrari ou da Honda… Mercedes é um projeto de excelência de 3 anos (contando com 2014)…

      …mas que O FW 37 não esta recebendo a mesma configuração de unidade motriz das “flechas de prata” deste ano é mais do que obvio… Quem sabe daqui a 4 corridas com novas unidades os Williams consiga tirar cerca de uns 6 décimos relacionados ao motor…

      • Deivde disse:

        Concordo contigo Partala. Na verdade a mercedes faz motores turbos de alta potência e super eficientes a vida toda, basta olhar para os seus carros de rua que dão mais de 500 cv com motores turbo rendendo até 10 km/l… Acredito que aqui sejam as ruas ensinando para a F1.

  3. Pedro disse:

    Parece que a Mercedes já usava 500 bar de pressão na injeção em 2014, este ano a Ferrari estaria usando também 500 bar e parece que na fase européia a Renault também vai usar. A Renault conseguiu convencer a FIA a aceitar em 2015 a introdução das trombettas variáveis, a Ferrari ainda não quer usar o sistema, apesar dela ser precursora (ainda na fase aspirada) ela teme perda de confiabilidade…Esta guerra de motor esta muito legal.

  4. Andre Ignaczuk disse:

    500 bar é pressão pra caramba, pra termos de comparação, o Kadett GSI 95 trabalhava com pressão máxima de 2,6 bar pra gerar 115 hp, isso de gasolina brasileira comum, imaginem uma gasolina especial de altíssima octanagem da F1 …

    • Nayon Partala disse:

      é pressão de injeção de combustível, ou seja a pressão que os bicos injetores “jogam” a gasolina para as câmaras de explosão. Não confunda colega com pressão de turbo… ok…

      • Anônimo disse:

        Partala, o amigo André não está confundindo. 2,6 bar é pressão de combustível mesmo. O Kadett GSI 95 não é turbo. Mas se fosse, não teria apenas 115 hp com 2,6 bar de pressão.
        Mas explicando um pouco sobre a pressão de combustível e a relação dela com a potência, saibam que tal relação não é direta. O que não pode ser confundido é “pressão” com “vasão”.
        O fluxo de combustível é a quantidade de combustível injetada em um determinado tempo, resultado da combinação pressão versus vasão. No caso do regulamento atual, o fluxo não pode ultrapassar 100 quilos de combustível por hora.
        Tenho um carro turbo de pouco mais de 200 cv que não usa mais de 3 bar de pressão de combustível, porém os bicos injetores do carburador tem alta vasão, o que garante a mistura apropriada para gerar tal potência.
        Porém, por se tratar de um carburador que não pulveriza o combustível, esta mistura não é tão eficiente, pois o combustível leva muito tempo para vaporizar e se misturar ao oxigênio do ar, fazendo com que boa parte dele oxigene e queime apenas no escapamento, prejudicando a performance.
        Por este motivo, quanto mais pulverizado for o combustível durante a injeção melhor, pois isso acelera a mistura fazendo com que sobre muito pouco combustível ou oxigênio livre no momento da explosão, resultando em um desempenho superior.
        500 bar em um sistema de injeção direta serve para dar o maior fluxo possível em um sistema de baixa vasão. A baixa vasão combinada com a alta pressão também permite maior precisão de injeção, além do menor tempo de mistura, possibilitando ao sistema eletrônico alcançar relação ar/combustível muito mais próxima da desejada.

      • Deivde disse:

        Esqueci de assinar a resposta do comentário do Nayon… o Anônimo sou eu, Deivde.

        Abraço!

      • Nayon Partala disse:

        Op… então obrigado Deivd… !! Eu Estava certo sobre a pressao de combustivel e errado sobre entender (achar) que o Andre falava sobre pressão de turbo… obrigado pela explicação…!… final de semana promete, vamos esperar que a chuva não venha bagunçar uma pista veloz como a malasia…

        abração!!

      • Deivde disse:

        Opa! Disponha!!

        Promete mesmo! Que venha um belo sol pra esse final de semana na Malasia!

        Estou adorando a nova “Era Turbo” da F1… sou apaixonado por motores turbo. Pra mim, carros turbo são como leões, silenciosos porém potentes!!!

        Abraço!

Deixe seu comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s