Lotus e seus pilotos de talão de cheques

carmen Semanas atrás a comunidade da Fórmula 1 não poupou críticas à equipe Lotus por sua escolha de uma piloto de “desenvolvimento”, a bela Carmen Jorda, cujo melhor resultado nos seus 3 anos de GP3 foi um 28º lugar nas tabelas dos campeonatos que nunca pontuou.

Curta a página do BLOG no FACEBOOK clicando AQUI e siga-me no Twitter: @inacioF1

Agora é vez da mesma Lotus ser igualmente criticada por escolher como seu segundo piloto de desenvolvimento honconguês (ou seja, de Hong-Kong) Adderly Fong, cujos resultados discretíssimos também mostram que o talento não foi uma questão preponderante: Desde 2010 não completou nenhum campeonato de monopostos dos quais participou: Fórmula Superleague, Auto GP, Indy Lights e GP3 e se somarmos todos eles seu melhor resultado foi o 7º lugar numa etapa da Auto GP.

FongCom a perda de patrocinadores importantes para para a Williams (Rexona e Avanade), corte do prêmio que recebeu da FOM após terminar 2014 num magro 9º lugar e os custos maiores dos motores Mercedes ante aos antigos Renault, a Lotus precisava se cacifar financeiramente para tentar ser mais competitiva esse ano, mas o ideal seria conciliar pilotos pagantes com o mínimo de competitividade, algo que aparentemente não encontraram no mercado e não encontrarão nessa fraquíssima dupla.

O que mais deveria causar espanto é que estamos falando de uma equipe média, que até 2013 vencia corridas com um campeão mundial! Pilotos pagantes se espalham pela categoria faz tempo, mas o fato da equipe escolher seus reservas tão descaradamente apenas com base nos seus contra-cheques e não no que poderiam ajudar no desenvolvimento da equipe nos seus simuladores é claro reflexo da aguda crise em que a Fórmula 1 está: Custos muito elevados para desenvolver os carros, motores turbo muito mais caros que os antigos V8, dificuldades reais em conseguir fechar patrocinadores (veja a McLaren), distribuição desigual dos lucros da FOM…

No fim é sempre aquela mesma martelação de sempre: “Do jeito que está a Fórmula 1 não irá muito longe, algo precisa ser feito…” Nesse meio tempo, por mais que as equipes precisem se virar para pagar suas contas ou ao menos diminuir suas dívidas, a imagem da Lotus só sendo mais arranhada com essas contratações vexatórias. E outra: se um deles precisar assumir numa eventual indisposição de Maldonado ou Grosjean, não deverão conseguir a super-licença exigida pela FIA.

Até Taki Inoue, famoso e desastrado piloto pagante dos anos 90, tirou sua casquinha da equipe preta e dourada por meio da sua conta de Twitter “Parece que os pilotos de desenvolvimento de conta bancária estão ficando populares na Fórmula 1!”. Triste.

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

9 respostas para Lotus e seus pilotos de talão de cheques

  1. Phillip disse:

    Pelo menos ainda tem o Palmer

  2. Flavio Gomes disse:

    Não vejo problema algum em ter piloto pagante na F-1. O Pedro Paulo Diniz – filho do ricaço Abílio Diniz do Grupo Pão de Açúcar – nunca passou de um piloto medíocre. Mas, ao menos, levava uma boa grana para as equipes desenvolverem os seus carros. O Bruno Senna é mediano e só tem sobrenome famoso, mas “comprou” vagas na Hispania, Lotus e Williams. Vários brasileiros foram “pay drivers”, sem tanto talento assim.

    • José Inácio disse:

      Não disse que haver problemas na F1 ter pilotos pagantes (Nasr é um, Schumacher começou assim). Disse que é um problema quando eles não são sequer medíocres, mas muito ruins mesmo.

    • Rodrigo Pinho disse:

      A citação ao Pedro Paulo Diniz foi feliz, pois, lamentavelmente, alguns profissionais brasileiros do jornalismo esportivo fazem burlesca patriotada com qualquer nacional na Fórmula 1. O Pedro Paulo correu por seis temporadas, graças ao PAItrocínio do Pão de Açúcar. O citado competidor, todavia, nunca teve desempenho notável nas pistas. Indubitavelmente, o Pedro Diniz era fraco.
      O sobrinho do saudoso Ayrton, só chamava a atenção pela semelhança física com o tio e, por óbvio, pelo nome de família. Mas a performance nas corridas não era digna do talento do falecido tricampeão. O Bruno Senna teve (ou ainda tem) diversos patrocinadores (Santander, P&G, EMBRATEL, MRV Engenharia etc.), porém teve vida curta na F-1. Só o sobrenome e a pecúnia das empresas que bancaram (ou ainda bancam) a sua carreira não foram suficientes para mantê-lo na principal categoria do automobilismo.

    • Fernando Cruz disse:

      O articulista disse: “Ambos os brasileiros citados foram discretos “. Perguntar não ofende: se o Bruno Senna e o Pedro Paulo Diniz fossem mexicanos, venezuelanos, indianos, japoneses etc. falaria a mesma coisa? Duvido. Diriam que são “porcarias”.

  3. Ricardo Vascão disse:

    A formosa Susie Wolf “pagou” por sua vaga de piloto reserva de outro modo. Como o seu marido trabalha na equipe Mercedes, a escuderia do Sr. Frank conseguiu os poderosíssimos propulsores V6 alemães, com certo desconto! É claro, outrossim, que o Toto Wolf ainda é titular de uns 10% das ações da escuderia britânica Williams F1… Mas que a bela loura “pagou”, sim, pela vaguinha. Detalhe: a moça é muito “ruim de braço”! Valeu!!!!

  4. Flavio Gomes disse:

    Nick Lauda tambem entrou na F1 comprando uma vaga na BRM

Deixe seu comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s