Williams precisa reagir – Desafio é grande

williDepois de levar o bote da Ferrari na Austrália, a Williams levou uma lavada da mesma Ferrari na Malásia e a luz amarela que já estava acesa na equipe passou a piscar em alerta: eles precisam reagir se quiserem voltar a frequentar o pódio.

Curta nossa página no FACEBOOK e siga-me no TWITTER @inacioF1

E eles sabem disso. Após a fraca apresentação da equipe na pista asiática, seu chefe de operações Rob Smedley já declarou que precisam desenvolver todo o pacote do carro. “Precisamos continuar empurrando nosso ritmo de desenvolvimento para garantir que nossa taxa de evolução seja mais rápida que a deles (Ferrari). Além disso precisam evitar a repetição de problemas nas paradas de box, que afetaram tanto Felipe Massa como Valtteri Bottas – o brasileiro teve problema com o macaco na traseira do carro, que acabou retardando a troca das rodas de trás e o finlandês perdeu tempo numa troca seguida à de Massa sob safety-car quando a equipe demorou para tirar seus pneus dos cobertores elétricos.

Para a próxima etapa na China duvido que já possam introduzir grandes mudanças no FW37, mas para a etapa espanhola, que marca o retorno da categoria à Europa, devemos ter uma série de novidades – mas aí não serão só no carro da Williams como também no das rivais (a Ferrari, por exemplo, virá com um bico novo e mais curto) – o que reforça a importância da frase de Smedley que cobra internamente mais rapidez e precisão nas suas evoluções.

MAL2

A traseira da Williams de Massa desgarra numa saída da curva: desequilíbrio do carro ou desgaste acentuado dos pneus?

O problema da Williams é que a grande carta na manga que tinham ano passado  – a enorme superioridade dos motores Mercedes em relação aos demais do pelotão – encolheu, sobretudo em relação à Ferrari, que além de ter se aproximado em potência, desenhou um carro eficiente e rápido com uma equipe de técnicos gabaritadíssima e investindo um orçamento que é mais do que o dobro que o dos ingleses. Além disso, a má fase da igualmente rica Red Bull não vai durar para sempre.

Com isso, cresce enormemente a responsabilidade de Pat Symonds, o diretor técnico da Williams, em conseguir focar os recursos financeiros e técnicos da maneira mais eficiente possível para garantir que o projeto inteiro do carro bem como de todas as suas subsequentes novidades sejam de fato evoluções, evitando o que se viu nas temporadas de 2011 e 2012 (antes de Symonds entrar) quando Rubens Barrichello e Bruno Senna se queixavam do excesso de peças novas mas que elas raramente apresentavam na pista as melhoras prometidas na prancheta, o que acarretava uma grande perda de dinheiro e de resultados na pista, ficando cada vez mais para trás da concorrência.

Desde o fim de 2013 com o ingresso do experiente chefe inglês, que analisou em profundidade os problemas da equipe e retrabalhou tudo internamente, as coisas melhoraram bastante por lá, a ponto de gerarem o sólido projeto de 2014 e sua evolução em 2015, mas agora chegou um momento decisivo: Eles precisam mostrar que mais do que aproveitar-se de um fator externo de “sorte” (o motor), eles tem méritos próprios e conseguem projetar um carro competitivo fazendo-o evoluir durante o ano e ainda trabalhar melhor a atuação estratégica e operacional da equipe durante as corridas.

Não é pouca coisa.

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

9 respostas para Williams precisa reagir – Desafio é grande

  1. Philip disse:

    Uma equipe cliente como a williams pode ate conseguir bater a Ferrwri ( em uma ou duas corridas ) mas jamais batera a ferrari … Se a williams quiser ser grande novamente tem que ter um motor para si mesma ( Audio , BMW ? )

  2. Vitor disse:

    A Williams sempre foi uma equipe de vanguarda tecnológica durante a sua história, fez muita ciência e desenvolveu muita tecnologia, contribuindo muito para tornar a F1 o que ela é hoje. Este foco em P&D na Williams, perdido durante estes 10 últimos anos precisa voltar e assim a coisa mudará.

    • Lair disse:

      Caro, Victor os tempos mudaram nos anos 80/90 a Williams tinha um grande orçamento. Eles cometeram vários erros de gestão, principalmente de relacionamento com grandes fabricantes de motores de fábrica, eles brigaram com a Honda (está não gostou da forma que Piquet foi tratado), brigaram feio com a BMW de Berger (que aborrecida foram para a Sauber), brigaram com a Toyota, que resolveu ter equipe própria. Dizem que o Patrick Head que era o cara brabo da equipe…. Hoje o orçamento da Williams é menos da metade da ricas Ferrari, Red Bull e Mercedes. Nâo foi só o Piquet que reclamou da equipe, o Senna disse que a equipe era fria…vários pilotos saíram de lá brigados…..

    • Lair disse:

      Esqueci que o Adrian Newey também saiu da Williams brigado, porque não aceitou a demissão do D. Hill….

  3. Anônimo disse:

    pra variar, excelente post!!!

  4. a williams é uma grande equipe sem duvidas mas assim como a McLaren, ela esta em “depressão”. Nao é de ontem que ela comete erros de equipes iniciantes nos boxes e planeja mal as estrategias o que acaba gerando sérios problema durante a corrida. Comparada as outras equipes usuarias do motor mercedes, ela é sem sombra de dúvidas a melhor. acho que ta faltando investimentos no motor e se claro, a mercedes ta entregando um motor capenga pra eles, eles tem que reclamar, afinal estao pagando caro por um produto que nao ta resdendo o esperado. Mas de um ponto de vista lógico, a williams é uma das poucas equipes do grid que nao fabrica carros de rua o que comparado com rivais como mercedes, ferrari e McLaren acaba fazendo ela depender quase que unica e exclusivamente dos patrocinios que por vez não traze o know-how de ter carros de rua pra equipe como as principais rivais. é só questao de melhorarem as estrategias e se unirem mais como equipe e é claro, o felipe massa pisar com vontade no pedal do acelerador que ele e o bottas tem chances de incmodarem e muito mercedes e ferrari.

  5. Anônimo disse:

    Querem saber de uma coisa, minha opinião, eu já esperava por isso, sabia que esse ano a Williams jamais alcançaria a Mercedes e já previa a Ferrari forte. Pq no ano passado muitos elogiaram o trabalha de evolução dos carros da Williams, mas se reparem ao longo do ano ela perdeu terreno em relação as Mercedes. Lembro que na primeira corrida ( ano passado ) o Rosberg fez a melhor volta 1 minuto e 32 segundos e 478 milésimos enquanto bottas fez a sua melhor volta só uns 200 milésimos mais lento. Sem contar, que na Áustria a Williams tava tão rápida quanto as Mercedes. Na última corrida do ano passado, a Williams já estava uns 800 milésimos atrás. É só reparem galera, que a Mercedes evoluiu mais que a Williams ano passado.

  6. GEcKoDriver disse:

    Bem, antes de tudo, “TODOS” na Williams precisam parar, refletir e fazer um curso do Instituto Universal Brasileiro sobre “Pitstops, Safety Cars and a bit more”. Desde que me entendo por gente, a Williams nunca foi boa de estratégias. Nas épocas em que foi campeã, venceu por ter verdadeiros foguetes com rodas…

Deixe seu comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s