Balanço de fim de ano: Sauber, McLaren e Manor

Iniciando nosso tradicional “balanço de fim de ano”, vamos analisar as 3 equipes do fim do pelotão, que de comum tem o fato de nesse ano não terem vivido seus melhores momentos. Em um caso específico, longe disso:

Curta nossa página no FACEBOOK e siga-me no TWITTER:@inacioF1

F4SAUBER: A equipe suíça começou o ano em alta, mérito sobretudo de um carro bem nascido, com um bom motor e sobretudo confiável, algo que grande parte de suas rivais não era, o que lhes garantiu bons pontos logo no começo do ano quando Nasr chegou num excelente 5º lugar na Austrália – exatamente graças aos abandonos e falta de forma dos rivais. Só que aí a verdade dos fatos foi se restabelecendo: com um  orçamento muito limitado a equipe foi ficando para trás no desenvolvimento do carro, cujas deficiências e limitações foram se fazendo cada vez mais perceptíveis e assim os pontos foram rareando, dependendo muito do azar alheio, já que na pista fora ultrapassados por Toro Rosso, Lotus, Force Índia, além das outras já naturalmente favoritas. No fim do ano ainda ficaram tensos com a possibilidade da McLaren os alcançar, o que não ocorreu, garantido um valioso 8º lugar na tabela, um belo avanço em relação ao ano zerado de 2014. Mas as chances de repetição de um cenário difícil em 2016, já que as limitações financeiras permanecem e ainda com mais dificuldades, são grandes, já que McLaren e até Haas devem vir para a disputa do meio do pelotão com mais força. No campo dos pilotos Felipe Nasr começou o ano por cima, sobrando até, mas pouco a pouco Marcus Ericsson encontrou seu equilíbrio mental e mostrou-se um forte oponente, especialmente por não enfrentar dificuldades os freios como Nasr e apesar do placar de pontos amplamente favorável ao brasileiro, a verdade é que na pista o desempenho dos dois foi bem próximo sobretudo  nos dois terços finais do campeonato, o que significa que em 2016 devemos ter uma disputa bem intensa entre eles

McLAREN: Esse foi o campeonato mais desastroso da equipe em mais de 30 anos, mérito sobretudo dos fracos, pouco confiáveis e limitados motores da Honda. Em determinando momento todos da equipe já sabiam o que precisava ser mudado no motor, mas não poderiam fazê-lo antes do fim do ano devido às limitações do regulamento, então não havia muito o que fazer, desmotivando seus pilotos (especialmente Alonso) e cumprindo a agenda de corridas sem grandes esperanças. O carro em si poderia ser até bom, mas o fato é que seu potencial nunca foi plenamente explorado por essa falta de potência, então nem sabemos de fato se o primeiro projeto do engenheiro Peter Prodromou, ex-Red Bull, tinha de fato grande velocidade ou defeitos. Até por 2015 ter sido um ano tão horrível, 2016 deverá ser bem melhor para a equipe, que contará com os motores Honda profundamente retrabalhados e – assim esperamos – mais competitivos. No placar de pontos o quase aposentado Jenson Button superou Fernando Alonso, algo bastante notável, mas parcialmente creditável à desmotivação do espanhol ao volante de um carro tão problemático. A relação entre os dois, entretanto foi bem harmônica, com o espanhol tendo mais azares que o inglês na pista. Com um carro melhor ano que vem espero que Alonso retome sua motivação e dê mais trabalho à Button.

manorMANOR – No início do ano todos sabiam que se arrastariam na pista, já que conseguiram garantir sua participação em cima da hora e não tinham um carro novo, usando o já ruim modelo de 2014 com motores antigos. Ao longo do ano o novo dono abortou a ideia de estrear o carro novo para focar no modelo 2016, garantindo assim a inconteste rabeira em todas as corridas, sempre guiados por pilotos pagantes, com o vice campeão da GP2 Alexander Rossi claramente como o melhor deles. No fim do ano os nomes mais importantes da chefia anunciaram sua saída da equipe por discordar dos rumos escolhidos pelo tal novo dono e com isso, apesar de garantirem os ótimos motores Mercedes para 2016, poderemos ter mais um ano de fim de grid para a equipe…

No próximo capítulo desse “balanço de fim de ano” analisaremos as campanhas da Toro Rosso, Lotus e Force Índia!

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

3 respostas para Balanço de fim de ano: Sauber, McLaren e Manor

  1. Rogério disse:

    José Inácio, perfeito, mas com um reparo importante: o carro de Alonso quebrou mais vezes que o de Button…

  2. Caê Paiva disse:

    Li seu texto ontem e hoje estava no facebook e achei um texto extamente igual a esse seu nesse site:
    formula1eformulaindy.blogspot.com.b/2015/12/balanco-de-fim-de-ano-sauber-mclaren-e.html?m=1
    Você escreve nesse site também???

Deixe seu comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s