Fim de uma era: Os Williams fora da Williams

Frank Williams, Bernie Ecclestone, Ron Dennis e Ken Tyrrell: são todos páginas do passado da Fórmula 1.

Hoje pela manhã Claire Williams soltou um comunicado em texto e vídeo, avisando que a família Williams se desligará em definitivo da equipe que leva seu nome a partir do GP da Itália, que ocorre nesse final de semana.

Esse anúncio sinaliza o fim de um ciclo de 43 anos na equipe e também na categoria: o dos garagistas, pessoas que formaram ou lideraram equipes na categoria e as tinham como sua atividade de vida onde a competição nas pistas da Fórmula 1 era o grande objetivo e sustento.

Hoje todas que lá estão são apenas parte das estratégias de grandes conglomerados empresariais do ramo automotivo (Mercedes, Ferrari, Renault), de bebidas (Red Bull e Alpha Tauri) ou mesmo mais um braço de grandes fundos de investimentos que sempre tiveram outras atividades principais à parte (Racing Point, Alfa Romeo, Haas, McLaren e agora Williams).

EQUIPES JÁ PRESSIONAM PARA NÃO CORRER NO “OVAL” DO BAHREIN


CONHEÇA AS CASAS DOS PILOTOS DA FÓRMULA 1

VEJA TODOS OS CARROS DA WILLIAMS – 1974 / 2020

Eddie Jordan, Paul Stoddart (Minardi) e Peter Sauber: todos fora também

E o que os difere dos garagistas? Se essa turma cansar da categoria, achar que o investimento já trouxe o retorno que queriam ou que não vale mais a pena seguir investindo ir embora e focar em outra oportunidade fora das pistas, pois tem outras atividades para administrar, já que não vivem e respiram Fórmula 1 nem dependem dela para viver. É sempre um risco.

Claire Williams, que liderava a equipe desde 2013 tem méritos – tentou manter a equipe competitiva frente à essa mudança de realidade e mesmo se adaptar à ela fazendo mudanças internas, mas também carrega o peso maior de não ter conseguido.

Não atraiu um parceiro ou sócio de peso técnico e financeiro, como já teve na BMW entre 2000 e 2005 e quase tiveram com Lawrence Stroll, mas o afugentaram para a Racing Point e ainda trouxe gente que ajudou a afundá-los ainda mais (Paddy Lowe) e com isso conduziu a equipe à tamanho fracasso nas pistas que precisaram ser totalmente vendidos para sobreviver como empresa.

Como ela mesmo disse, pelo menos o nome da equipe permanece nas pistas e agora com a expectativa de não faltar dinheiro para reconduzi-los à competitividade perdida. Tomara.

Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

5 respostas para Fim de uma era: Os Williams fora da Williams

  1. Pingback: Monza terá troféu especial | JOSEINACIO.COM

  2. Filipe Salvino disse:

    Ou seja nao via ser mais willlains e sim outro nome de equipe que vai mudar?

  3. Pingback: Fernando Alonso já é Renault na roupa | JOSEINACIO.COM

  4. Pingback: Na pista de Monza com asa zero! | JOSEINACIO.COM

  5. Pingback: Análise “quem ganhou, quem perdeu” da classificação do GP da Itália 2020 | JOSEINACIO.COM

Deixe seu comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s