Balanço “Equipe por Equipe” do GP da Itália 2020

Que corridaça, meus caros! Cheia de emoção, acidentes, ultrapassagens, reviravoltas, uma nova largada com pilotos em ordens bastante improváveis e uma vitória fantástica no pódio com idade média mais jovem da história, pelas minhas contas! Vamos agora ver como foi a etapa para cada uma das 10 equipes da Fórmula 1:

ALPHA TAURI: Com a confusão dos Safety-cars Pierre Gasly recebeu boas cartas da sorte, é verdade, mas teve todo o mérito de jogar brilhantemente com elas e ganhar sua primeira corrida, possivelmente deixando Helmut Marko resmungando grunhidos ininteligíveis. Quando o último piloto francês venceu uma corrida na categoria (Panis em Mônaco, 1996 pela Ligier, também francesa) Gasly tinha 3 meses de vida! Kvyat não foi tão feliz, mas ainda anotou 2 pontos para a equipe, que com isso deu um salto na tabela, mas ainda insuficiente para lhes dar o sexto lugar, mas muito à frente da Alfa Romeo.

McLAREN: hoje eles estavam bem fortes, com Sainz sempre com uma certa vantagem sobre Norris e mesmo sem as reviravoltas se encaminhavam para um pódio. O piloto espanhol fez uma corrida muito madura e se tivesse mais uma ou duas voltas, poderia ser ele no lugar mais alto do pódio, mas “se” não existe no mundo real. Hoje mostrou a qualidade que fez a Ferrari se interessar por ele.

RACING POINT: Outra equipe que soube capitalizar, ao menos com Stroll, com as reviravoltas dos Safety-cars e bandeira vermelha. Fico com a impressão que eles não estão mais conseguindo capitalizar tanto com a “Mercedes B”como em outras etapas, mas pode ser por uma questão de característica de pista. Perez foi bem mediano hoje. A ver nas próximas etapas.

MERCEDES: Bottas largou mal e depois simplesmente não tinha seu carro ajustado para ultrapassar, com um deficit de velocidade final em relação às McLaren, mesmo quando usava asa móvel. Repito: a culpa foi da sua, pois largou mal. Hamilton sobrava até cometer o erro de entrar nos boxes e ser justamente punido, mas com o mesmo carro “limitado” no campo das ultrapassagens, remou e chegou à apenas 10 segundos atrás de Bottas, fazendo a volta mais rápida, reafirmando seu quilate e com isso segue líder tranquilo no campeonato.

RENAULT: Ricciardo e Ocon não encontraram o mesmo acerto ideal que os fizeram brilhar em Spa, mas ainda assim salvaram bons pontos e Ricciardo ainda poderia ter chegado à frente de Bottas, mas na parada de pneus ficou naquela turma “segurada” por Norris na entrada e o finlandês se deu melhor. De toda forma mostraram ter um carro cada vez mais equilibrado e tiraram a quinta colocação da Ferrari na tabela.

WILLIAMS: Latifi chegou à uma posição da zona de pontos e assim seguem zerados. Era evidente nas retas o deficit aerodinâmico dos carros da equipe, algo que ficava evidente na disputa de Russell com Grosejan, sempre com o francês vencendo ao fim das retas. Pelo menos o inglês chegou à frente de uma Red Bull e de uma Alfa.

HAAS: Eles tem sido uma equipe discreta esse ano. Isso é ruim, pois o motor é limitado e o carro também não ajuda nada. Magnussen abandonou com problemas no motor quando figurava e Grosjean, que foi espremido por Albon na largada, fez o que pode com o carro que tinha, chegando à frente de Kimi.

ALFA ROMEO: Ver Kimi Raikkonen relargar e assumir a segunda posição foi bem bonito, pena que a realidade voltou a se impor nas voltas seguintes e ele foi sendo ultrapassado por todos até chegar no décimo terceiro lugar, sem pontos. Deve ser triste para ele viver essa realidade. Giovinazzi foi punido por entrar nos boxes quando isso estava proibido e caiu pra último depois de relargar em terceiro.

RED BULL: Esse não foi um bom final de semana para equipe. A classificação já foi ruim, aí seus dois carros largaram mal e sofriam para tentar passar quem quer que fosse. Verstappen abandonou com problemas técnicos quando estava fora da zona de pontos e Albon, mais uma vez pelas mais variadas razões, chegou mal, em décnimo quinto, sendo ultrapassado por uma Williams enquanto o piloto que ele sucedeu na equipe bebia champanhe no lugar mais alto do pódio… Vamos ver se em Mugello, sem tantas retas, se saem melhor.

FERRARI: Um retumbante fracasso. Vettel abandonar no início da corrida sem freio é uma imagem simbólica da precariedade do momento atual da equipe. Leclerc bateu forte. Porque? Por que perdeu sozinho o controle da traseira de um carro mal nascido e difícil de pilotar. Estão em sexto lugar na tabela de construtores, superados hoje, com folga, pela Renault. É com esse clima que celebrarão já nessa semana seu GP de número 1000 em casa.

Abaixo seguem os resultados oficiais completos da corrida e as tabelas de pontuação dos campeonatos de construtores e pilotos atualizadas:

Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

2 respostas para Balanço “Equipe por Equipe” do GP da Itália 2020

  1. Carlos Silva disse:

    A unidade de potência da japonesa Honda teve um ótimo desempenho! Parabéns ao francês Pierre Gasly!

  2. Pingback: Claire Williams ganha presente | JOSEINACIO.COM

Deixe seu comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s