Equipe “Lamborghini” na Fórmula 1

Nesse belo e nostálgico vídeo, vemos uma sessão de testes da já alquebrada equipe “Lamborghini” de Fórmula 1 em 1990. Porque coloco o nome da equipe entre aspas? Porque embora ela seja conhecida por esse nome, ela na verdade se chamava Modena.

A ideia da equipe surgiu no início de 1990 e seria financiada pelo rico empresário mexicano Fernando González Luna com 20 milhões de dólares do seu bolso.

Assim, abordou o famoso fabricante italiano, não apenas para fornecer seus mais recentes motores V12 de Fórmula 1, que já corriam com a Larrousse, mas também para projetar e construir todo o chassi. A Lamborghini estabeleceu uma divisão específica da F1 em 1988, a Lamborghini Engineering, para supervisionar seu crescente programa na categoria e gostou da ideia.

Assim, 1991 seria a primeira temporada da empresa usando um carro de Fórmula 1 projetado e construído por eles e para isso contrataram o projetista Mauro Forghieri.

No verão de 1990, eles já haviam concluído o projeto e tinham um carro prontinho para teste (esse do vídeo abaixo), só que o pai da ideia, Fernando González Luna desapareceu levando todo seu dinheiro com ele. Isso deixou um enorme rombo nas contas da equipe e colocou seu futuro em dúvida.

No entanto, a Lamborghini estava determinada a manter o projeto, pois já tinham os motores e agora o carro. Dessa forma, a empresa italiana colocou mais dinheiro na equipe e a instalaram na cidade de Modena, Itália, estreando na temporada de 1991.

Ciente das limitações e possíveis maus resultados, a Lamborghini estava relutante em ser vista como uma equipe oficial, então ela foi inscrita com o nome de Modena Team SpA. Só que a maioria dos jornais, revistas e fãs da época ignoraram, referindo-se ao à eles como Lamborghini, ou simplesmente “Lambo”.

Mesmo após essa ajuda financeira inicial a equipe, que era uma empresa totalmente independente, não recebeu mais nenhum tostão da marca italiana e fechou ao fim dessa única temporada.

Seu melhor resultado foi um 7° lugar de Nicola Larini na corrida de estreia, em Phoenix, mas com um carro pesado e motor não tão potente como o esperado, seus dois pilotos, o já citado Larini e Eric Van de Poele, não conseguiram sequer se classificar em 26 das 32 oportunidades do ano, não marcando sequer um ponto, que na época só ia até o 6° lugar. Confira o vídeo:

RUSSELL E BOTTAS SOB PRESSÃO. FITTIPALDI E AITKEN NA “GUERRA DO FUNDÃO: ENTENDA OS CENÁRIOS!

COMO EXATAMENTE O HALO SALVOU GROSJEAN

ANÁLISE: O QUE ESPERAR DA ESTREIA DE PIETRO FITTIPALDI NA FÓRMULA 1

Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe seu comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s