Despedida da Racing Point, que venha a Aston Martin

No fim desse ano mais um ciclo se encerra: a Racing Point aposentará seu título (sem graça nem originalidade, diga-se) para a volta da Aston Martin à Fórmula 1.

Sim, volta, pois se aventuraram em algumas corridas em 1959 e 1960, usando um carro projetado de 1957, mas cuja estreia foi sendo adiada pelo foco nas 24 Horas de Le Mans (que venceram) e com isso tiveram resultados ruins.

De toda forma será o sexto nome dessa equipe com sede em Silverstone, que em suas outras vidas já teve outros nomes e muita história, como você verá abaixo:

1991 a 2005 – Estreando como Jordan Grand Prix, onde fez fama e lançou muito pilotos importantes como os irmãos Schumacher, Barrichello e Irvine e ainda tendo outros como Fisichella, Damon Hill, Alesi e Frentzen, venceu 4 corridas e conquistou 24 pódios ao longo de 250 GP’s até ser vendida, já em franca decadência.

2006 – Foi rebatizada de Midland, usando basicamente uma versão revisada e melhorada do carro de 2005. Foi uma equipe de vida curta e desempenho pálido, sem marcar ponto algum em seus 18 GP’s. Quando seu novo dono percebeu a fria que era ter uma equipe independente na categoria sem apoios de peso, vendeu antes mesmo do fim do ano para uma marca de carros esportivos da Holanda.

2007 – Virou Spyker e com seus donos holandeses e carro laranja, foi uma evolução em relação ao ano anterior, marcando ao menos um ponto e antes do fim dos 17 GP’s daquele ano, mas como as finanças do grupo principal balançando, novamente foi vendida, agora para um grupo indiano.

2008 a 2018 – Como Force Índia (consideradas algumas mudanças ligadas a esse nome ao longo dos anos), foi a segunda fase mais longeva do grupo, com 212 GP’s de história e 6 pódios, tendo pilotos como Sutil, Perez e Hulkenberg entre seus destaques. Mas, de novo, seus donos enfrentarem dificuldades financeiras (e legais!) e tiveram a equipe comprada à força, digamos assim, pelo grupo de Lawrence Stroll.

2019 a 2020Racing Point era o novo nome da equipe e com o apoio financeiro dos novos donos e parceria técnica mais direta da Mercedes, teve uma melhora de resultados significativa com a dupla Perez e Stroll, alcançando 4 pódios e com o mexicano, a vitória no Sahkir, com um carro “B” da marca alemã. No total, terão disputado 38 GP’s.

2021 a ???? – Já visando o futuro como Aston Martin, contrataram um ex-campeão em fase difícil, num movimento parecido com o que a Jordan fez em 1998 com Damon Hill, garantindo assim os holofotes da mídia e a atenção do público e quem sabe novos patrocinadores. Só espero que, diferente do inglês, o alemão mostre-se bastante motivado e competitivo até o fim de seu contrato!

E sim, a imagem acima é uma projeção meramente ilustrativa, uma das muitas que circulam na internet, já que ainda não se sabe qual será o visual dos novos carros, só que terão o famoso tom racing green na sua paleta de cores. De todas a montagens que eu vi, essa uma das que mais gostei, mesmo não usando o tal tom verde.

Enfim, será uma nova equipe (até a sede deve ser outra em 2022), mas com bons recursos financeiros e técnicos e com raízes bem fincadas num histórico de 535 Grandes Prêmios disputados ao longo de suas “seis vidas”, isso sem contar aquelas poucas corridas apagadas dos anos 50. Boa sorte!

OS DIAS QUE PROST E SCHUMACHER DESFILARAM DE F1 EM PARIS

FÓRMULA 1 MAIS LARGA, COMPRIDA E PESADA

O DIA QUE SENNA TESTOU O FÓRMULA 1 DOS MARES

BARRICHELLO E MASSA SE ENFRENTAM NAS PISTAS EM 2021

Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

5 respostas para Despedida da Racing Point, que venha a Aston Martin

  1. David Antônio Ferreira Amaral disse:

    Feliz com a volta do blog!
    Só hoje percebi!
    O melhor do segmento!

    Espero que Seb volte a Boa fase na Aston Martin

    Abraços

  2. Pingback: Prost e Schumacher desfilando pelas ruas de Paris | JOSEINACIO.COM

  3. Rodrigo Souza disse:

    Olá,
    Uma pequena correção. O correto, segundo as regras ortográficas mais aceitas seria GPs e não GP’s como foi escrito por todo o texto. Qualquer sigla, mesmo as que terminem com a consoante S, em sendo usada para expressar plural, deve ser sucedida de s minúsculo. Ex.: DVDs, TVs, GPs, PMs, BRs, UBSs (unidades básicas de saúde), etc…

    Abraço,

  4. Pingback: Analise “Quem ganhou, Quem perdeu” da classificação de Abu Dhabi | JOSEINACIO.COM

  5. Pingback: 12 despedidas na Fórmula 1 | JOSEINACIO.COM

Deixe uma resposta para David Antônio Ferreira Amaral Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s